BadUSB: saiba o que é, para que serve e como criar um

BadUSB representa uma das ameaças mais insidiosas e subestimadas no mundo da segurança cibernética. Afinal, este tipo de ataque transforma dispositivos USB comuns em vetores de ameaças.

A sua sofisticação reside na sua capacidade de reprogramar o firmware de dispositivos USB, permitindo que executem ações mal-intencionadas sem o conhecimento do usuário. 

Desde a simulação de teclados e mouses até o comprometimento de redes inteiras, a gama de ataques possíveis é ampla e preocupante. Por isso, este cenário exige uma conscientização crescente sobre segurança digital.

Neste artigo vou procurar desvendar os mistérios por trás do BadUSB, explicando o que é, para que serve, como é criado e, mais importante, como podemos nos proteger contra tais ameaças. Boa leitura!

O que é o BadUSB?

BadUSB é um termo que se refere a um tipo específico de ataque cibernético onde dispositivos USB comuns, como pendrives, teclados ou mouses, são modificados para funcionar como ferramentas de hacking.

Este ataque explora a capacidade de reprogramar o firmware desses dispositivos, permitindo que eles executem ações maliciosas quando conectados a um computador ou a outro equipamento eletrônico.

O perigo do BadUSB está na sua capacidade de se disfarçar como um dispositivo USB comum, enquanto secretamente executa atividades mal-intencionadas. como:

  • Emulação de teclado ou mouse: o dispositivo pode agir como um teclado ou mouse, inserindo comandos ou movimentos que podem levar ao download e instalação de malware, ou a execução de ações prejudiciais no sistema da vítima;
  • Espionagem: pode ser usado para monitorar e registrar a entrada de dados, como as teclas digitadas pelo usuário, permitindo o roubo de informações sensíveis como senhas e dados financeiros;
  • Comprometimento de sistemas: pode alterar configurações de sistema, modificar arquivos ou instalar backdoors, proporcionando acesso remoto ao atacante;
  • Redirecionamento de tráfego de internet: pode mudar configurações de rede para redirecionar o tráfego de internet para sites maliciosos ou para interceptar comunicações.

O aspecto mais alarmante dessa ameaça é que, como o ataque ocorre no nível do firmware, ela muitas vezes passa despercebido pelos softwares antivírus convencionais, que geralmente verificam apenas o sistema de arquivos.

Além disso, a reprogramação do firmware pode ser feita de maneira relativamente simples, tornando qualquer dispositivo USB uma potencial ameaça.

Antes de prosseguir, leia também – É preciso usar o Linux para hackear? Descubra!

Quais os cenários de ataque?

Os cenários de ataque envolvendo BadUSB são variados e podem ser bastante criativos, dependendo das intenções do atacante. Alguns dos mais comuns incluem:

  • dispositivos USB perdidos;
  • brindes e presentes corporativos;
  • ataques direcionados a indivíduos;
  • infecção em cadeia de suprimento;
  • ataque de substituição;
  • dispositivos de carregamento público.

Dispositivos USB perdidos

Atacantes podem deixar dispositivos USB infectados com BadUSB em locais públicos, como cafés, bibliotecas ou escritórios, esperando que pessoas curiosas os conectem a seus computadores. Uma vez conectado, o BadUSB pode iniciar seu ataque.

Brindes e presentes corporativos

Dispositivos USB dados como brindes em eventos corporativos e feiras de negócios podem ser pré-infectados com BadUSB. Essa tática é particularmente eficaz em ataques direcionados a organizações específicas.

Ataques direcionados a indivíduos

Em cenários de espionagem industrial ou ataques direcionados, o BadUSB pode ser enviado diretamente a um indivíduo ou organização específica, disfarçado como um dispositivo legítimo.

Infecção em cadeia de suprimentos

Atacantes podem comprometer o firmware de dispositivos USB durante o processo de fabricação ou distribuição, infectando múltiplos dispositivos antes mesmo de chegarem aos consumidores.

Ataque de substituição

Atacantes podem substituir dispositivos USB de uso regular de uma vítima (como um mouse ou teclado) por uma versão infectada com BadUSB, garantindo que o dispositivo malicioso seja usado sem suspeitas.

Dispositivos de carregamento públicos

Estações de carregamento USB em locais públicos, como aeroportos ou hotéis, podem ser comprometidas para instalar BadUSB em dispositivos conectados para carregamento.

Leia mais – Nikto: conheça essa poderosa ferramenta para encontrar vulnerabilidades

Como é criado?

O processo começa com a identificação de um dispositivo cujo firmware possa ser reescrito. Isso geralmente requer algum conhecimento técnico, pois diferentes dispositivos têm formas específicas de serem acessados e modificados.

Uma vez que o dispositivo apropriado é selecionado, o próximo passo é desenvolver ou obter um firmware malicioso. Este firmware é projetado para substituir o firmware original do dispositivo, alterando seu comportamento normal.

Por exemplo, um pen drive pode ser programado para agir como um teclado e executar comandos pré-definidos no computador alvo.

A criação deste firmware pode ser feita usando ferramentas de desenvolvimento de software e linguagens de programação comuns, mas exige um entendimento aprofundado sobre como os dispositivos USB comunicam-se com os computadores.

Após a preparação do firmware malicioso, o último passo é a instalação deste firmware no dispositivo USB. Isso pode ser feito através de softwares específicos que permitem a escrita do firmware no hardware do dispositivo.

Uma vez reprogramado, o dispositivo BadUSB está pronto para ser utilizado em ataques, capaz de executar uma variedade de funções maliciosas dependendo de como foi programado.

Antes de terminar a leitura, descubra se seu e-mail é realmente seguro neste vídeo 👇

SEU E-MAIL É SEGURO? Descubra a Verdade!

Como se proteger?

O primeiro passo é a conscientização: estar ciente de que dispositivos USB comuns podem ser transformados em ferramentas de ataque. Isso inclui adotar uma política de desconfiança em relação a dispositivos USB desconhecidos ou não confiáveis.

Não se deve inserir pen drives encontrados ou recebidos de fontes desconhecidas em computadores pessoais ou de trabalho. Além disso, é prudente evitar o uso de estações de carregamento USB públicas, preferindo carregadores e cabos próprios.

Do ponto de vista técnico, manter sistemas operacionais e softwares de segurança atualizados é essencial, pois eles podem oferecer alguma proteção contra tipos conhecidos de ataques BadUSB.

Embora esse seja um ataque difícil de detectar, algumas soluções de segurança avançadas estão começando a incluir funcionalidades para proteger os aparelhos 

Além disso, o uso de ferramentas especializadas que possam analisar e validar o firmware de dispositivos USB antes de serem usados pode ajudar a identificar e bloquear dispositivos potencialmente maliciosos.

Agora que você já sabe o que é o BadUSB é como se proteger dele é só aplicar esse conhecimento. E se quiser mais dicas como essa, eu te convido a visitar o meu blog Técnicas de Invasão.

Lá você vai encontrar dicas valiosas de segurança cibernética, investigação digital e ataques hackers.

>